Você provavelmente já deve ter ouvido que maio é o mês das noivas. São vários os motivos históricos que transformaram o quinto mês do ano em uma grande simbologia à celebração do amor. Mas será que essa tradição realmente acontece no Brasil?

Não se sabe exatamente quando esse costume surgiu, mas ele foi fortemente perpetuado para a maioria dos países ocidentais ao longo de anos e algum motivo muito forte existe para que esse conceito se sustente até os dias atuais.

Tem curiosidade em saber mais? Então continue lendo e descubra por que maio é considerado o mês das noivas!

Principais razões históricas pelas quais maio é o mês das noivas

Como visto, existe um motivo muito forte para que maio seja consolidado como o mês perfeito para se casar. Mas e se dissermos que existe mais de uma razão? São diversas as raízes dessa tradição e reunimos as principais delas. Confira mais a seguir!

Mês das mães

Tradicionalmente, pela Igreja Católica, maio é o mês dedicado à Maria, mãe de Jesus. Por esse motivo e por ser um mês que, nos tempos antigos, muitas mulheres concebiam, ele se tornou uma homenagem também a todas as mães.

Como a maternidade estava muito associada ao casamento, casar-se em maio era como um pedido de sorte ao casal, para que ele fosse muito fértil. Desse modo, como o Cristianismo sempre foi influente na sociedade, o mês acabou se tornando influente também para as noivas.

Idade Média

Outro motivo está relacionado aos hábitos cultivados na Idade Média. Naquela época, a prática de tomar banho era muito rara, principalmente pelas baixas temperaturas da região europeia.

Desse modo, eles apenas se lavavam quando o clima começava a esquentar, ou seja, a partir do mês de maio, ápice da primavera e prenúncio do verão. Geralmente, eles tomavam banho e se casavam, aproveitando que estavam limpos e perfumados.

Representação de amor e fertilidade

A ideia de que maio é o mês do amor vem por conta da relação com a primavera nos países do hemisfério norte. Como a estação representa o renascer e a fertilidade do solo, por muito tempo ela também foi relacionada com a gestação humana.

Além disso, nos tempos antigos um casamento significava necessariamente o início da construção de uma família e o casal procurava ter filhos o quanto antes. Casar-se no mês da fertilidade era um sinal de que os pombinhos seriam férteis e teriam uma grande prole.

A tradição no Brasil

Como você pôde ver, o costume do mês de maio ser dedicado às noivas está fortemente ligado à influência da colonização europeia e as suas estações. No entanto, no Brasil, a primavera apenas chega em setembro.

Além disso, por questões financeiras, é comum que o brasileiro tenha mais dinheiro no fim do ano, devido ao 13° salário e às férias. Por isso, essa tradição não é muito comum no Brasil. Por praticidade, existe uma tendência de os casamentos ocorrerem entre novembro e janeiro.

Sendo o mês das noivas em maio ou em qualquer outro, é inevitável reservar um tempo para homenageá-las. Afinal, essa é uma fase de muito significado para muitas pessoas, pois representa uma das maiores transições de vida. Vale a pena aproveitar, não é mesmo?

Gostou dessa curiosidade? Então aproveite e curta a nossa página do Facebook para ficar sempre por dentro das novidades!

Há crianças que necessitam usar óculos de grau desde muito pequenas. E os pais tendem a se desesperar, pois não sabem ao certo como escolher óculos infantil que sejam adequados para o rosto dos seus filhos. Afinal, o acessório deve apresentar conforto, durabilidade e muito estilo também.

Por isso, apresentamos a seguir algumas dicas que prometem facilitar a vida de quem procura por óculos infantil que sejam funcionais e, acima de tudo, de extrema qualidade!

Aposte na armação adequada

Ao escolher óculos infantil, você deve levar em conta qual é o tipo de armação que combinará mais com o rosto da criança e, consequentemente, vai deixá-la mais confortável.

Geralmente, as armações de silicone são as mais utilizadas. No entanto, as de acetato costumam emoldurar melhor as lentes e são mais resistentes que as armações de silicone ou as de plástico injetado.

Invista no conforto

Todos nós sabemos que as crianças não são muito cuidadosas no dia a dia, não é mesmo? Por esse motivo, as borrachinhas de silicone que são presas nas hastes, conhecidas como stoppers, são as mais recomendadas.

Elas pressionam os óculos atrás das orelhas, o que impede que o acessório caia durante alguma atividade. Além disso, os stoppers incomodam menos que as tradicionais tiras de elásticos usadas ao redor da cabeça.

Opte pelas lentes corretas

As lentes dos óculos infantil devem ser resistentes, leves e não podem apresentar distorções de modo algum. Em geral, as esféricas e feitas de policarbonato são as mais indicadas pelos oftalmologistas.

De qualquer maneira, converse com o médico e peça orientação no que diz respeito ao tipo de lente, pois cada criança apresenta um problema diferente da outra. Ele saberá orientar de acordo com as necessidades dos pequenos, assim como as atividades que eles exercem no dia a dia.

Escolha o estilo dos óculos infantil

O ato de usar óculos costuma ser uma grande novidade para a garotada. Quando falamos em como escolher óculos infantil, um dos itens a serem levados em conta é o estilo do acessório, a fim de que a criança não se sinta diferente das demais.

Então, ao ir até a ótica, leve-a para escolher o modelo. Incentive a criança a provar armações coloridas, estampadas ou as que a façam se sentir mais bonita e confortável. E não deixe de dizer para ela o quanto será importante usar os óculos para lhe dar mais qualidade na visão!

Consulte o oftalmologista regularmente

Após a orientação do médico sobre a necessidade de a criança usar óculos, é muito importante que você se acostume a levá-la com regularidade ao consultório, pois, desse modo, será possível acompanhar a evolução ou mesmo a regressão do problema.

Além disso, não deixe de ter um par de óculos de reserva, pois no caso de perda ou quebra do acessório, a criança não ficará sem usá-lo até que outro seja providenciado.

Enfim, esperamos que as dicas sobre como escolher óculos infantil tenham ajudado você a comprar o acessório mais adequado para os seus filhos. O importante é que eles aceitem a ideia e encarem a novidade como uma divertida situação!

Entre em contato com a Alcidino e confira as melhores opções de óculos infantil que temos disponíveis para você!

As joias são elementos reconhecidos pela sua beleza intrínseca e por roubar a atenção de qualquer look, com pouco esforço, por isso são muito utilizadas na confecção de acessórios. No entanto, diversas pessoas têm dificuldade de perceber as diferenças entre pedra natural e pedra sintética, e isso é totalmente comum.

Além disso, as gemas sintéticas apresentam muitas semelhanças com as naturais, de modo que a distinção não é tão intuitiva. Entretanto, é possível identificá-las de acordo com o seu brilho, durabilidade, entre outras características.

Pensando em ajudar você a diferenciar com mais facilidade a natureza das pedras usadas nas suas joias, montamos uma lista com as 5 principais diferenças entre a gema natural e a sintética. Tem interesse em saber mais? Então, é só continuar acompanhando este post!

1. Local de formação

As gemas de origem natural são resultados da combinação aleatória e sem interferência humana de elementos químicos, enquanto que as sintéticas são feitas pelo homem em laboratórios, a partir de materiais encontrados na natureza.

Mesmo apresentando consideráveis semelhanças fisicamente, suas composições químicas são totalmente distintas, assim como os seus períodos de formação.

2. Brilho

Além disso, é possível notar a diferença de origem das pedras de acordo com a refração da luz. O brilho de uma gema natural costuma ser mais forte e mais bonito, quando comparado à luz refratada nas peças sintéticas. Dessa maneira, ao realizar uma compra, é possível ter o auxílio da luminosidade ambiente ou externa para identificar o tipo de joia que está levando.

3. Tempo de formação

Como você viu, as pedras naturais têm um tempo de formação muito maior que as outras. O seu tempo varia conforme o estilo, cor e formato da joia, podendo ser semanas, meses, anos ou mais de décadas. Enquanto isso, as gemas sintéticas costumam ficar prontas em, no máximo, um ano, antes de começar o processo de lapidação.

4. Durabilidade

Naturalmente, as pedras sintéticas têm uma durabilidade muito menor que a sua concorrente. Apesar de serem mais caros, os materiais produzidos pela natureza duram vários anos a mais. Por essa razão, eles podem ser passados de geração em geração, como muitas pessoas fazem, acrescentando valor simbólico à peça.

5. Raridade

Além do mais, como visto, as gemas naturais demoram mais tempo para serem formadas na natureza e, por isso, são consideradas mais raras. Pela praticidade e facilidade de se adquirir uma sintética, o seu valor também pode ser menor.

Entende-se como joia natural toda aquela formada pela natureza, sem interferência direta do homem, a partir do acúmulo de material inorgânico, oriundo de animais e vegetais, junto da decomposição de vários materiais, em uma determinada pressão.

Com a raridade de sua formação, alianças, anéis, braceletes, colares, entre outros acessórios, tornam-se muito mais especiais, principalmente quando são um presente.

Agora que você consegue identificar as principais diferenças entre pedra natural e pedra sintética, escolher a sua joia favorita se torna uma tarefa muito mais fácil, não é mesmo? Lembre-se sempre de priorizar pelas lojas especializadas nesse tipo de produto a fim de realizar uma compra segura!

E aí, gostou do post? Então, não deixe de compartilhar nas suas redes sociais para que seus seguidores também saibam as diferenças entre as pedras!

Muitas pessoas desconhecem a simbologia das alianças, mesmo usando-as diariamente. Por exemplo: você sabia que elas são utilizadas desde o Antigo Egito e, ao longo dos anos, foram adaptadas para se tornar um dos principais símbolos do matrimônio?

Para ajudar você a entender seus significados e conhecer mais sobre a origem do adereço, preparamos este artigo que conta a história e qual a finalidade das alianças de namoro, noivado e casamento. Vamos lá!

Origem e história

Historiadores afirmam que os anéis como adereços surgiram no Antigo Egito e representavam diversos aspectos da sociedade da época, tais como servir como símbolo de status, talismã pessoal e promessa de amor.

Durante a conversão ao cristianismo no período greco-romano, os cônjuges passaram a ostentar as alianças no quarto dedo da mão esquerda, que oficializava a relação e mostrava que o homem tinha a posse da mulher.

A partir do século IX, a igreja cristã adota a joia como símbolo de amor e fidelidade e, atualmente, por meio do ato solene, a troca dos anéis representa, além do amor e fidelidade, o companheirismo, a cumplicidade e a eternidade.

A simbologia das alianças

Ao iniciarmos uma nova história com outra pessoa, sentimos a necessidade de oficializar cada etapa — e não existe nada mais emblemático do que representar a relação usando alianças, não é mesmo?

Entenda agora qual é o momento certo para usar o anel de namoro, noivado e casamento e quais são os materiais mais utilizados para confeccioná-las!

Aliança de namoro

Ao entregar uma aliança para a pessoa com quem está namorando, significa que você está gostando de conhecê-la mais intimamente e que pretende investir na relação. Oficialmente, o anel não tem representatividade alguma perante a sociedade, sendo apenas uma troca muito particular entre os parceiros.

Em geral, as alianças de namoro são confeccionadas em prata e costumam ser usadas no dedo anelar da mão direita — o mesmo que vai ostentar o anel de noivado!

Aliança de noivado

As alianças de noivado têm maior significado para o casal. Quando o homem entrega o anel para a mulher, ele tem a intenção de pedi-la em casamento e, assim sendo, oficializar a união.

A aliança de noivado costuma ser feita em ouro e apresenta uma ou mais pedrinhas de brilhantes incrustadas em sua superfície. Ela é usada até o dia do casamento e também deve ser usada no dedo anelar da mão direita.

Aliança de casamento

Segundo a tradição cristã, o anel da mão direita passa para a mão esquerda a fim de oficializar a relação perante Deus e a sociedade (e, também, porque o adereço está mais próximo do coração).

As alianças de casamento são confeccionadas em ouro, que pode ser o amarelo, o rosê ou o branco. Normalmente, os nomes dos cônjuges são gravados na parte interna do anel, assim como a data do casamento.

Conhecer a simbologia das alianças e saber como e quando se deve usá-las é a melhor maneira para ostentar o símbolo de respeito e fidelidade e mostrar ao mundo que o amor entre duas pessoas é algo que sempre deverá prevalecer!

O que achou de saber mais sobre esse símbolo tão importante da nossa sociedade? Que tal, então, saber ainda mais sobre joias e outros personagens essenciais da moda? Conheça as tendências da moda primavera verão 2019 agora mesmo!

Há muitos anos, diversas culturas ao redor do mundo utilizam o ouro como símbolo de poder e, por isso, ele já era empregado não só como moeda, mas como adorno para objetos e para o corpo. Hoje, essa tradição ainda é mantida, mas surgiram mais variedades de cor e composições desse metal.

Por isso, a necessidade de saber a diferença entre os tipos de ouro.

Esse metal que fica tão lindo em joias — e até mesmo em outros acessórios, como em detalhes em óculos — precisa ser bem escolhido para combinar com sua personalidade! Quer saber mais sobre o assunto? Então, confira!

O que faz o ouro ser valioso?

Apesar de ser encontrado em vários lugares do mundo, o ouro é um metal nobre. Portanto, tem um alto valor comercial, que é cotado diariamente.

Outro fator que faz com que ele seja tão cobiçado é o fato de ser o metal mais maleável conhecido e que também não oxida, facilitando o trabalho de artesãos e joalheiros.

Além de se transformar em belas peças, em seu estado bruto ele tem um belíssimo brilho, que já era extremamente atrativo desde a época dos egípcios.

Porque o ouro é tão resistente?

Na verdade, o ouro puro é muito maleável. Por exemplo, se você tiver um anel feito 100% com essa preciosidade, um simples aperto de mão seria capaz de amassá-lo. Para evitar que isso aconteça, o ouro é misturado a outras ligas, que interferem na resistência de sua composição e cor.

Por causa das misturas de metais, surgiu a expressão quilates — representada pela letra K. Seu objetivo é definir a quantidade de ouro em uma liga.

  • Por exemplo, quando dizemos que um anel é de 24K, quer dizer que ele é 100% puro.
  • Mas ao citar que a joia é em 18K, isso faz com que ele seja feito de 18 partes de ouro, para 6 partes de outros metais, ou seja, 75% de sua composição é de ouro.

No Brasil, para ser considerado ouro, uma peça deve ter sua composição acima de 14K. Porém, as joias mais vendidas são em ouro 18K, que é mais resistente e menos suscetível à oxidação e ao escurecimento.

É preciso ficar de olho ao adquirir joias nesse material fora do país, pois outros lugares utilizam o ouro baixo (14K, além de 12K e 10K), o que faz com que os acessórios tenham um menor valor e sejam avermelhados, permitindo, assim, diferenciar as peças pela tonalidade.

Qual a diferença entre os tipos de ouro?

Todo ouro é inicialmente dourado, porém, como você já viu, ele precisa ser misturado com outros metais. Essa liga acaba mudando de cor, criando o ouro rosé ou o branco, por exemplo — tão valiosos e, às vezes, até mais do que o dourado.

A cor será definida de acordo com a proporção de cada elemento químico adicionado à liga de ouro. Veja alguns deles:

  • amarelo: ouro puro (75%) + prata (12,5%) + cobre (12,5%);
  • branco: ouro puro (75%) + paládio (25%);
  • rosé: ouro puro (75%) + cobre (22,25%) + prata (2,75%);
  • negro: ouro puro (75%) + cobalto (25%);
  • vermelho: ouro puro (75%) + cobre (25%);
  • verde: ouro puro (75%) + prata (15%) + cobre (6%) + cádmio (4%).

É claro que cada uma das tonalidades, combinadas com pedras preciosas ou outras tendências, criam um efeito único em cada peça.

Agora que você já sabe tudo sobre a diferença entre os tipos de ouro, conte para nós qual a sua cor preferida desse metal nos comentários!

Grande sensação no segmento de luxo, a marca francesa Céline se reinventou ao longo do tempo. Famosa por suas bolsas e roupas – que são atemporais – a marca conquistou os amantes da moda por causa da sua flexibilidade. Em 2001, lançou a sua primeira coleção de óculos de sol. Com acessórios chiques e minimalistas com um toque de contemporaneidade, a marca se tornou uma das favoritas dos críticos e também das fashionistas e celebridades.

A grife é seletiva, nenhum produto é vendido em e-commerce, ou seja, pela internet. Acredita-se que no Brasil existiam mais de 300 pontos de vendas da marca, mas após uma análise criteriosa realizada pelo fabricante, esse número foi reduzido para apenas 60 pontos, e entre eles está a Alcidino Joalheria e Ótica de Tubarão.

Coleção 2018

 As características da Céline incluem fabricação e polimentos artesanais; lentes minerais e polarizadas; acetado premium personalizado; dobradiças personalizadas.

O que é mais incrível? Cada peça é exclusiva e possui um número de rastreamento na haste. Ou seja, o seu Céline é único.

A qualidade de cada produto é intrínseca. Os acabamentos são de acordo com o posicionamento de luxo que a marca adota e os óculos são conduzidos por técnicas excepcionais de artesanato e materiais premium.

Fotos exclusivas site Céline. Estes e outros modelos você encontra em nossas lojas.